Blogger Template by Blogcrowds

ALESSANDRA


Como na encantadora noite fria de lua cheia de tormentos
Onde uma brisa incessante sopra para aplacar o ardor
As brancas nuvens bailam ao passar dos pensamentos
Desenhando seu rosto em finos traços de pudor.

O cenário ideal, a noite, a imagem, a lembrança que desejava manter,
Lembrança que a mãe natureza a todo memento me trazia
Que era chegada hora de me lembrar de te esquecer.
Quem dera pudéssemos viver em minha fantasia.

Andrômeda, Maria, Helena, meu proibido problema
Que rasga minhas esperanças encerra minha andança
E me mostra o quão cruel é a minha mãe natureza
Que forja minha força em minha maior franqueza

Sonho, fantasia, delírio, vontade, esperança, realidade
Onde está a coerência, o correto, a razão?
Se não era para viver esse amor a vida toda mãe
Por que me apresentastes tão grande ilusão.

Edson Carvalho Miranda


2 comentários:

Essa poesia me lembra as longas horas que passávamos a nos cortejar no Orkut, sem ao menos saber quem estava pro trás dos perfis...
Deus me deu um presente!
E eu apenas descrevi o quão esse presente é belo e importante para mim.

Edinho Miranda

27 de abril de 2009 07:07  

CANÇÃO DO CORAÇÃO

Deixe-me cantar a canção do meu coração
pois agora estou feliz novamente,
deixe-me cantar a música da minha felicidade, não mais a da solidão...
Porque eu encontrei o verdadeiro amor,
aquele amor que fiquei esperando
durante o solitário e frio inverno
da minha tristeza!
Então venha a mim primavera,
faça florescer a minha beleza
assim como em um sedento jardim
as gotas de chuva lhe devolvem
novamente a vida.

Alessandra P. Negrini

27 de abril de 2009 12:38  

Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial